Pular para o conteúdo principal

Maiêutica da revisão de textos

Maiêutica da revisão linguística.

Doze pontos a serem observados em  um texto para que seja considerado bem revisado.

1. Considerando a revisão, no sentido que ela tem para nós, como atividade ligada à leitura, ela é “nova leitura” no sentido em que o autor já leu seu texto (e o releu muitas vezes), nova no sentido em que ela representa novidade para o revisor; mas, além de nova, ela é mais minuciosa, todos os conjuntos possíveis de elementos, serão reconsiderados clinicamente, no sentido da visão metódica, racional que será aplicada sobre todos os ângulos e em oposição (ou em conjunção) com a visão empírica do autor e seus colaboradores.
2. O conjunto de interferências efetuadas pelo revisor tem que estar perfeitamente contextualizado; tudo que for possível ou necessário deve ser discutido com o autor para ficar evidenciada sua significação, nenhuma interferência deve ser feita sem que, para ela, haja explicação linguística satisfatória; cada interferência revisional deve estar ligada às práticas de linguagem: à escuta, à leitura e à produção de textos.

Revisamos teses e dissertações com máxima atenção.
A verdade fica cristalina na tese bem escrita e revisada. 
Share on Tumblr
 
3. Tudo fazemos no objetivo de não apenas atender a algumas normas formais, tais como a ortografia ou gramática, mas tendo em vista a função comunicacional do texto, seu aperfeiçoamento como suporte do conjunto de informações ordenado e hierarquizado, o melhor possível, para que a mensagem alcance o leitor com a maior clareza possível.
4. Na produção acadêmica, o texto está em registro formal, a norma é culta, estamos presos à ortografia oficial recém-modificada, bem como restritos à gramatica normatizada; assim com os textos acadêmicos devem ter a necessária coesão micro e macrotextual.
5. Nós vivemos nos pais do “jeitinho”, e muitos autores imaginam que, para revisar, basta “saber português” – então, contam com a ajuda daquela amiga que “dá aula de redação”… E o desastre se avizinha: quem não é profissional não tem disponibilidade integral para cada serviço com que se compromete, não conhece programas de editoração, não pode implementar mecanismos de interação com o autor, não está afeto a diferentes jargões.
6. Não há muito consenso sobre a terminologia, embora pareça que realmente “revisão de textos” seja a fórmula mais aceita para descrever o processo de reconsideração não autoral de um TO.
7. A chamada autorrevisão tem o problema de ser um entrave à redação: deixe fluir a escrita, é melhor para o texto que se escreva mais em quantidade e velocidade que parando muito, releia seu texto a intervalos maiores; isso é mais produtivo.
8. Em geral, os clientes precisam e esperam muito da revisão do texto, mas ainda não percebem o que pode fazer grande diferença: um revisor profissional.
9. O texto acadêmico tem características próprias, diferentes do texto literário ou jornalístico, por exemplo, portanto requer estrutura própria de apresentação das informações, dos argumentos e das conclusões obtidas; muitas vezes essa estrutura é formal, uma forma mesmo que limita a criatividade, e cumpre ao revisor, em tal caso, verificar se o texto ficou bem amarrado em tais parâmetros.
10. As pessoas que estão envolvidas na criação do texto, autor ou autores estão muito próximas dele, podem deixar passar lapsos por terem uma leitura já apressada, ou pior: podem não perceber as dificuldades que uma pessoa de fora teria em compreender as informações e argumentos.
11. Escrever é um processo de criação comprometido com a apresentação de uma verdade ou ficção, suposta ou plausível, de um conhecimento produzido ou de análises sobre conhecimentos anteriores – quando não for tudo isso.
12. O processo de revisão, como modernamente o compreendemos, pressupõe alteridade – o que quer dizer que é necessária outra pessoa, de fora do processo de criação do texto, para revisá-lo com isenção e distanciamento.

Postagens mais visitadas deste blog

Normas básicas de digitação

Vale a pena digitar corretamente. A digitação correta é uma prática em desuso. Quase ninguém mais se preocupa com conceitos básicos da datilografia que foram transposto à digitação. Entretanto, formatar uma tese ou dissertação é infinitamente mais complexo que saber digitar num processador de textos. Nada dispensa a boa revisão . Um dos motivos pelos quais  o trabalho do revisor é  indispensável é porque  ninguém mais digita como  se deve. Aqui estão alguns problemas que sempre identificamos nas digitações problemáticas: A lacuna que separa os elementos gráficos (por exemplo, entre duas palavras) deve ser feita por um e apenas um espaço. O recuo do parágrafo, o alinhamento recuado das citações ou das tabelas etc. devem ser feitos por tabulação (ou então pelo recurso de estilo ou modelo, dos programas de edição de texto do computador). Não há espaço antes da pontuação (ponto, ponto-e-vírgula, vírgula, dois pontos). Há um espaço (e apenas um) depois da pontuação (ponto, ponto-e-vírgul

Como escrever o resumo de sua tese ou dissertação

Melhore o resumo de sua tese ou dissertação. O resumo é parte necessária da apresentação final de uma tese , dissertação ou mesmo de um artigo. A versão final do resumo terá de ser escrita depois que você terminar de ler a sua tese para enviar ao revisor do texto. Um resumo prévio, escrito nas diferentes fases do seu trabalho vai ajudar você a ter uma versão curta de sua tese a cabeça. Isso vai conduzir seu pensamento sobre o que é que você está realmente sendo feito, vai ajudá-lo a ver a relevância do que você está trabalhando no momento dentro do quadro maior, e ajudar a manter os vínculos que acabarão por conferir unidade à tese (dissertação, TCC, artigo). Resumo é uma apresentação concisa dos pontos relevantes de um documento (NBR 6028:2003). O que é um resumo? O resumo é um componente importante da tese. Apresentado no início da tese, é provável que seja a primeira descrição substantiva do trabalho a ser lida por um examinador ou qualquer outro leitor externo. Você deve vê-lo com

Como escrever um texto acadêmico - as melhores dicas!

Aspectos gerais e específicos do texto acadêmico Um texto científico ou acadêmico é um complexo trabalho dissertativo ou narrativo que tem características próprias sobre sua concepção, criação e apresentação.  Bons textos científicos acrescentam conhecimento mesmo quando levantam novas dúvidas, novos problemas ou novas abordagens sobre uma questão, permitindo que leitores encontrem realidade e humanidade em palavras que foram completamente estruturadas para apresentar ou discutir um enfoque específico de um tema. Não importa qual tipo de texto você queira ou necessite escrever – pode ser uma tese de livre-docência, de doutorado, uma dissertação, monografia, um artigo científico, relatório – você precisará de disciplina, energia criativa e de dedicação para a pesquisa, criação, revisão e edição do texto. Apresentamos algumas sugestões para contribuir na redação. Cada tipo de texto científico tem suas características. Familiarize-se com o tipo de texto que pretenda produzir. Antes de c

Quinze dicas para a hora de defender a tese

Defesa de tese ou dissertação: hora H! Depois de ter concluído a tese , é essencial que o aluno se prepare para a apresentação oral do trabalho.  Um excelente texto não garante que a exposição na etapa final seja boa e, se o aluno não apresentar a tese de forma satisfatória, os examinadores podem subestimá-la ou até mesmo duvidar da preparação científica do candidato. O candidato se prepara redigindo o texto. A Kemelion prepara o texto, revisando e formatando. Geralmente a apresentação oral da tese é geralmente é feita por meio de slides em Powerpoint ® (ou software similar) contendo texto, figuras, tabelas, desenhos e fotografias . Bons slides não são tudo. O aluno deve estar preparado e conhecer ponta a ponta o conteúdo, coordenando bem a apresentação conforme explica os slides e se comportando de forma adequada durante essa etapa do trabalho. Abaixo apresentamos algumas dicas, tanto referentes à formatação e estilo da apresentação de slides, como à discussão da tese – aplicáveis a m

Dez dicas para a escolha do orientador da tese ou dissertação

Como escolher o orientador acadêmico Existem alguns prós e contras a se ter em mente ao escolher alguém importante para orientar sua tese de doutoramento ou a dissertação de mestrado. E existem muitos contras em se escolher alguém com má fama.  Discute-se sobre a qualidade, rigor, ética e preparação dos estudantes de pós graduação. Eles são monitorados, medidos e ridicularizado por seu despreparo ou pelo lento progresso para a conclusão do trabalho final, tese ou dissertação. Mas as inconsistências e problemas com os orientadores e as orientações que eles fazem costumam ser esquecidas nas críticas. A escolha do orientador é muito importante no início da pesquisa. Ao fim, o importante é escolher o revisor certo. O estudante escolhem o programa de pós-graduação que lhe interesse e deve escolher com rigor o orientador adequado.  Os piores orientadores compartilham três características imperdoáveis:  Não leem o texto dos alunos antes de os discutir;  Nunca se reúnem com o orientando;  S