Produção e revisão de textos

1. A cada fase da evolução do texto, o autor o submete a terceiros ou o próprio autor relê sua produção e se estabelecem os objetivos, critérios e restrições para a tarefa de ITP; o autor passa à avaliação de seu texto-rascunho.
2. O domínio da língua escrita advém, em boa parte, mais da capacidade de ITP: localizar erros e repará-los – que da capacidade para escrever tudo sem erro diretamente! Também é verdade que, à medida em que o autor reescreve de forma eficaz e aperfeiçoa seu conhecimento linguístico, ele automatiza processos que se tornam aplicáveis em textos ulteriores.
Depois de fazer o resumo da tese, é hora de pensar nos agradecimentos!
Nossa revisão é profissional e pontual.
3. No processo de aperfeiçoamento do escrito e das escrituras, há ainda a interferência e a colaboração dos revisores profissionais de textos, que indicam aos autores os problemas e, mais que promover ajustes naquele produto, propiciam também aperfeiçoamentos na redação autoral que serão sucessivamente implementados nas produções seguintes.
4. Autores experientes e inexperientes frequentemente usam a estratégia de ignorar determinados problemas dos textos baseados em um destes dois critérios: 1) “ignorar esse problema não criará confusão para o leitor”; ou 2) “encontrar solução para esse problema é muito difícil e não vale o esforço”.
5. Aprender a língua escrita pode parecer com aprender a falar uma língua estrangeira! Deve-se estar consciente do fato de que sempre sobram erros linguísticos em seu trabalho escrito – sejam poucos ou muitos! É quase impossível escrever sem cometer desvios das normas ou lapsos, pela simples razão de que é impossível dividir a atenção entre o conteúdo (expressão e gestão das ideias) e a forma (transcrição gráfica apropriada).

6. A atividade do revisor tem certa semelhança com o papel do professor de redação, mas em estágio mais elevado, pois trata-se de oferecer recursos e alternativas que ampliem o cabedal do autor, não de lecionar para ele.
7. O revisor se esforça para definir de modo mais esclarecido a natureza do problema detectado no texto.
8. O subprocesso de avaliação da produção é o momento da IT em que o autor ou seu revisor lê o texto com três objetivos: compreender, avaliar e definir problemas.
9. A pesquisa no texto consiste em examinar e reler o escrito para ter melhor entendimento dos problemas encontrados.
10. Na reescrita, o autor, depois de recuperada a essência do texto, produz novo escrito, ou, depois de recuperado o significado de uma oração ou de um parágrafo, transforma a escrita do texto.
11. A leitura avaliativa é enfatizada, pois permite ao autor, na ITP, de acordo com o problema representado no rascunho, determinar o procedimento na tarefa de reescrever.
12. Quanto à pesquisa na memória, o processo é resgatar experiência e conhecimento relevantes para representação do problema.

Leia mais postagens: