Pular para o conteúdo principal

Perspectivas e didática da revisão de textos

As didáticas na revisão de teses e dissertações.

A revisão de textos, um campo de pesquisa em renovação total entre pesquisadores, é agora uma atividade de retorno contínuo ao texto que intervém em todas as tarefas e em todas as fases da produção escrita.

Essa atividade, que envolve múltiplos e diferentes conhecimentos, dependendo da estratégia de revisão utilizada, requer investimento variável e custo cognitivo elevado, dependendo da competência do revisor, dependendo do contexto da revisão, do destinatário e do tipo de texto. A revisão melhora a forma e o conteúdo semântico do texto desenvolvido durante a atividade de escrita, mas também a qualidade do texto produzido .
Essa concepção cognitiva da revisão difere de outras abordagens que variam, dependendo do campo de pesquisa e das diferentes perspectivas do revisor. Assim, a análise desses diferentes pontos de vista e a consideração dos contextos da revisão enriquecerão os referenciais e os modelos adotados e os tornarão mais operacionais, independentemente do contexto da tarefa, do revisor e do destinatário final do texto. 
Aperfeiçoe a dissertação revisando o texto.
Tevisão também se ensina e há técnicas para se fazer isso!

Abordagem multidisciplinar para revisão

A abordagem linguística clássica da revisão descreve essencialmente as versões sucessivas do texto seguindo as diversas intervenções feitas e os diversos processos linguísticos utilizados para melhorar o produto. Por outro lado, o trabalho dos psicolinguistas enfoca o estudo dos processos cognitivos implementados nas atividades de revisão e reescrita. Se, para o revisor, “a revisão detecta as discrepâncias entre o texto produzido, os padrões linguísticos e suas próprias intenções” , o primeiro campo cognitivo está mais do lado do texto e o segundo do lado do autor. Em termos de análise da atividade de revisão, as duas abordagens são complementares. A abordagem linguística visa analisar e propor intervenção nos diferentes níveis envolvidos na revisão de texto. A abordagem psicolinguística tem como objetivo analisar as diversas interferências, estudar as características dos fatores relacionados aos autores e revisores em seus respectivos contextos, e fazer generalizações sobre os processos cognitivos implementados durante a atividade de revisão, essenciais para a concepção de uma didática cognitiva da revisão.
Os psicolinguistas estudam os diferentes níveis do texto revisado com base nas principais fases de seu tratamento – superfície textual (palavras, frases), microestrutura (questões referentes ao significado local – frase, parágrafo – do conteúdo do texto), macroestrutura (todas as propostas mais importantes ou relevantes e constitutivas do significado geral do texto). Medidas subjetivas referentes ao significado geral são usadas em textos narrativos para avaliar a legibilidade do texto produzido do ponto de vista do leitor, perspectiva adotada pelo revisor profissional quando ele se interessa pela legibilidade do texto pelo destinatário. Segundo esse método, a sensação mais forte de qualidade está relacionada à consistência do texto produzido. Para obter conhecimento, as bases cognitivas necessárias ao ofício, os revisores iniciantes que revisam principalmente a superfície textual ou os níveis mais segmentados do texto (microestrutura) devem, portanto, passar a poder reprocessar o texto no nível semântico global (macroestrutura), ou seja, revisar a estrutura e a substância de todo o texto, com vistas a levar em conta uma leitura por e para o outro.
É na interação desses níveis de processamento e reprocessamento que os dois campos se unem. Por exemplo, o estudo linguístico dos índices de coesão textual (estrutura, conectores) permite ao revisor fazer suposições sobre as atividades de construção da coerência e da representação subjacente ao texto e, assim, compreender e avaliar melhor a coerência da representação textual. Os linguistas pragmáticos e psicopragmáticos, que levam em conta o texto em muito mais dimensões, estudam os efeitos esperados da palavra escrita sobre o destinatário. O texto pode, então, ser concebido como uma máquina para produzir inferências e intercessões no leitor ou como um mecanismo sujeito à interferência do revisor. De fato, o leitor, ao lidar com o significado linguístico da afirmação, também infere a intenção e o conhecimento do autor. Código e linguagem, para realmente funcionarem, precisam de (re)conhecimento mútuo que remeta à ideia de que cada informação é contextual e faz parte do conhecimento do autor e do conhecimento do leitor. Essa visão, que revela a necessidade de levar em conta as características culturais e linguísticas do autor e do revisor, é coerente com a posição construtivista que fornece a base para uma didática cognitiva da produção e revisão de textos. 

Quadro teórico sobre a revisão de textos

O termo revisão refere-se tanto ao resultado da atividade do revisor quanto aos diversos procedimentos que a levam a isso. No modelo básico de Hayes e Flower , desenvolvido a partir da análise de protocolos de produtores de texto especializados, o processo de revisão, inerente ao processo de escrita, consiste em dois subprocessos, a releitura (pelo autor) do primeiro rascunho e revisão (pelos revisores) e pode ser definido de acordo com duas estratégias. O primeira, automatizada pelo autor e inerente à produção, ocorre em todos os momentos da atividade produtiva, enquanto o segundo, a revisão controlada e intencional, ocorre em um momento específico e apropriado – segundo aqueles teóricos. Os objetivos do revisor são alcançados por uma série deliberada de estratégias e procedimentos. No entanto, a estratégia adotada depende da habilidade do revisor   e, portanto, deve ser explicitamente aprendida pelo revisor neófito.
À medida que a pesquisa sobre revisão em diversos contextos avança, os autores modelam a atividade de revisão como atividade autônoma e introduzem uma distinção que nesse ponto se estabelece entre “revisão externa” (intervenção) na superfície textual e “revisão interna” (interferências) do conteúdo semântico.  A revisão é então concebida como avaliação da adequação do texto produzido ao propósito definido pelo autor durante o processo de planejamento. A revisão, nessa concepção já um pouco antiga, consiste na aplicação de regras de textualização destinadas a resolver os problemas encontrados pelo autor e deve corresponder a suas intenções comunicativas e suas realizações linguísticas.
Outras pesquisas tentaram esclarecer não apenas as modalidades da revisão, mas também o timing da revisão. O modelo Sommers  descreve quatro operações de revisão, exclusão, deslocamento, substituição e reorganização, aplicando-se a quatro níveis de intervenção sobre o texto, independentes um do outro: a palavra, a proposta, a sentença, a ideia. Em seguida, foram propostos critérios para análise no contexto da revisão: o tempo da revisão, o nível linguístico da revisão, o tipo de correção e o propósito da revisão. Vários autores passaram a levar em conta a distinção essencial entre revisão superficial e revisão semântica, que altera o significado do texto. Foi proposta a revisão contendo seis tipos de operações: adição, remoção, substituição, permutação, reforço, distribuição. Essas operações ocorrem tanto na superfície quanto no nível semântico: revisão superficial, com alterações formais ou sintáticas mantendo o significado e revisão semântica jogando nos aspectos micro ou macro estruturais. Além disso, às vezes operam em paralelo. O aparente contraste entre revisão superficial e revisão semântica mostra, por exemplo, o estado flutuante da adição do adjetivo ao termo “revisão”, que, dependendo de seu conteúdo semântico e carga emocional, provém indiferentemente da revisão superficial com propósito principalmente ornamental e retórico ou da revisão semântica destinada a construir a coerência do texto. Uma adição de superfície pode, assim, levar o revisor a um reprocessamento semântico, resultando no fortalecimento da coerência textual ou no “renascimento” do texto que pode ser realizado, por exemplo, por expansões narrativas.
A revisão agora já consiste da tarefa tripla: detectar, identificar e modificar a parte do texto considerada inicialmente pelo autor como perfeita. O revisor trabalha para desenvolver a redação precisa e, assim, reformular a expressão do autor a fim de esclarecê-la. O procedimento CDO (Compare, Diagnose, Operate) envolve a releitura do texto produzido, mas não permite que os revisores façam um diagnóstico sobre os segmentos de textos a serem revisados. Algumas pessoas não sabem quais são os problemas em seus textos – outros não sabem nem que há problemas. O procedimento CDO faz emergirem diversos problemas que estavam abaixo da superfície textual. Além disso, esse procedimento, aumenta significativamente o número de interferências realizadas, mas nem sempre alcança melhoras na qualidade ou consistência dos textos revisados.
A revisão de texto requer que o autor renuncie a seu primeiro rascunho, à redação dada originalmente. Essa capacidade de delegar estaria relacionada ao reconhecimento da habilidade e competência do revisor. Reconhecemos duas fases de desenvolvimento de capacidade para mobilizar processos e habilidades para a revisão. Inicialmente, os processos se limitam a correções superficiais na ortografia e pontuação, em seguida, a diversificação do gerenciamento e o incremento do processamento de linguagem tornam o revisor capaz de levar em conta palavras, frases e texto como um todo – e aqui já estamos em outro estágio cognitivo, operativo e temporal da revisão de textos.
Assim, para autores revisores iniciantes, a revisão de texto aparece mais frequentemente como uma série de correções formais de superfície resultantes de processos de baixo custo cognitivo. A revisão semântica, mais complexa e opaca, devido à necessidade de levar em conta a necessidade de esclarecimento do leitor, dificilmente acomoda a atividade mental reflexiva isolada. É por isso que as intervenções propostas durante uma atividade de revisão colaborativa contribuem para o desenvolvimento da capacidade cognitiva e operativa do revisor aprendiz levando-o a se desengajar de posturas gramático-normativas e melhorar a qualidade do texto.

Postagens mais visitadas deste blog

Normas básicas de digitação

Vale a pena digitar corretamente. A digitação correta é uma prática em desuso. Quase ninguém mais se preocupa com conceitos básicos da datilografia que foram transposto à digitação. Entretanto, formatar uma tese ou dissertação é infinitamente mais complexo que saber digitar num processador de textos. Nada dispensa a boa revisão . Um dos motivos pelos quais  o trabalho do revisor é  indispensável é porque  ninguém mais digita como  se deve. Aqui estão alguns problemas que sempre identificamos nas digitações problemáticas: A lacuna que separa os elementos gráficos (por exemplo, entre duas palavras) deve ser feita por um e apenas um espaço. O recuo do parágrafo, o alinhamento recuado das citações ou das tabelas etc. devem ser feitos por tabulação (ou então pelo recurso de estilo ou modelo, dos programas de edição de texto do computador). Não há espaço antes da pontuação (ponto, ponto-e-vírgula, vírgula, dois pontos). Há um espaço (e apenas um) depois da pontuação (ponto, ponto-e-vírgul

Como escrever um texto acadêmico - as melhores dicas!

Aspectos gerais e específicos do texto acadêmico Um texto científico ou acadêmico é um complexo trabalho dissertativo ou narrativo que tem características próprias sobre sua concepção, criação e apresentação.  Bons textos científicos acrescentam conhecimento mesmo quando levantam novas dúvidas, novos problemas ou novas abordagens sobre uma questão, permitindo que leitores encontrem realidade e humanidade em palavras que foram completamente estruturadas para apresentar ou discutir um enfoque específico de um tema. Não importa qual tipo de texto você queira ou necessite escrever – pode ser uma tese de livre-docência, de doutorado, uma dissertação, monografia, um artigo científico, relatório – você precisará de disciplina, energia criativa e de dedicação para a pesquisa, criação, revisão e edição do texto. Apresentamos algumas sugestões para contribuir na redação. Cada tipo de texto científico tem suas características. Familiarize-se com o tipo de texto que pretenda produzir. Antes de c

Como escrever o resumo de sua tese ou dissertação

Melhore o resumo de sua tese ou dissertação. O resumo é parte necessária da apresentação final de uma tese , dissertação ou mesmo de um artigo. A versão final do resumo terá de ser escrita depois que você terminar de ler a sua tese para enviar ao revisor do texto. Um resumo prévio, escrito nas diferentes fases do seu trabalho vai ajudar você a ter uma versão curta de sua tese a cabeça. Isso vai conduzir seu pensamento sobre o que é que você está realmente sendo feito, vai ajudá-lo a ver a relevância do que você está trabalhando no momento dentro do quadro maior, e ajudar a manter os vínculos que acabarão por conferir unidade à tese (dissertação, TCC, artigo). Resumo é uma apresentação concisa dos pontos relevantes de um documento (NBR 6028:2003). O que é um resumo? O resumo é um componente importante da tese. Apresentado no início da tese, é provável que seja a primeira descrição substantiva do trabalho a ser lida por um examinador ou qualquer outro leitor externo. Você deve vê-lo com

Quinze dicas para a hora de defender a tese

Defesa de tese ou dissertação: hora H! Depois de ter concluído a tese , é essencial que o aluno se prepare para a apresentação oral do trabalho.  Um excelente texto não garante que a exposição na etapa final seja boa e, se o aluno não apresentar a tese de forma satisfatória, os examinadores podem subestimá-la ou até mesmo duvidar da preparação científica do candidato. O candidato se prepara redigindo o texto. A Kemelion prepara o texto, revisando e formatando. Geralmente a apresentação oral da tese é geralmente é feita por meio de slides em Powerpoint ® (ou software similar) contendo texto, figuras, tabelas, desenhos e fotografias . Bons slides não são tudo. O aluno deve estar preparado e conhecer ponta a ponta o conteúdo, coordenando bem a apresentação conforme explica os slides e se comportando de forma adequada durante essa etapa do trabalho. Abaixo apresentamos algumas dicas, tanto referentes à formatação e estilo da apresentação de slides, como à discussão da tese – aplicáveis a m

A importância da formatação e da revisão

A importância do trabalho de um bom revisor. O processo de revisão de textos requer várias leituras. Depois de longos meses de trabalho, seu romance parece pronto para ver a luz – sua tese está prontinha para ser depositada. O volume está lá, em sua mesa, ele olha para você e só espera para ser publicado ou defendida. Você lê e relê, até não aguentar mais, tentando encontrar a menor das imperfeições. Tem certeza de que fez tudo? Nunca se tem essa certeza! Os erros se escondem bem . A forma de uma obra é tão importante quanto o seu conteúdo e alguns erros podem irreparavelmente arruinar o seu sucesso. Por esta razão, é realmente importante dedicar muita atenção à fase de formatação e revisão. Share on Tumblr Seguir @keimelion Tweetar Fazer a formatação significa dar ao texto o cuidado pré-editorial, uniformizar a apresentação e, quando se trata de um texto acadêmico, aplicar rigorosamente aquele monte de normas que foram indicadas. A revisão é uma série de leituras cuidadosas