Pular para o conteúdo principal

Perspectivas e didática da revisão de textos

As didáticas na revisão de teses e dissertações.

A revisão de textos, um campo de pesquisa em renovação total entre pesquisadores, é agora uma atividade de retorno contínuo ao texto que intervém em todas as tarefas e em todas as fases da produção escrita.

Essa atividade, que envolve múltiplos e diferentes conhecimentos, dependendo da estratégia de revisão utilizada, requer investimento variável e custo cognitivo elevado, dependendo da competência do revisor, dependendo do contexto da revisão, do destinatário e do tipo de texto. A revisão melhora a forma e o conteúdo semântico do texto desenvolvido durante a atividade de escrita, mas também a qualidade do texto produzido .
Essa concepção cognitiva da revisão difere de outras abordagens que variam, dependendo do campo de pesquisa e das diferentes perspectivas do revisor. Assim, a análise desses diferentes pontos de vista e a consideração dos contextos da revisão enriquecerão os referenciais e os modelos adotados e os tornarão mais operacionais, independentemente do contexto da tarefa, do revisor e do destinatário final do texto. 
Aperfeiçoe a dissertação revisando o texto.
Tevisão também se ensina e há técnicas para se fazer isso!

Abordagem multidisciplinar para revisão

A abordagem linguística clássica da revisão descreve essencialmente as versões sucessivas do texto seguindo as diversas intervenções feitas e os diversos processos linguísticos utilizados para melhorar o produto. Por outro lado, o trabalho dos psicolinguistas enfoca o estudo dos processos cognitivos implementados nas atividades de revisão e reescrita. Se, para o revisor, “a revisão detecta as discrepâncias entre o texto produzido, os padrões linguísticos e suas próprias intenções” , o primeiro campo cognitivo está mais do lado do texto e o segundo do lado do autor. Em termos de análise da atividade de revisão, as duas abordagens são complementares. A abordagem linguística visa analisar e propor intervenção nos diferentes níveis envolvidos na revisão de texto. A abordagem psicolinguística tem como objetivo analisar as diversas interferências, estudar as características dos fatores relacionados aos autores e revisores em seus respectivos contextos, e fazer generalizações sobre os processos cognitivos implementados durante a atividade de revisão, essenciais para a concepção de uma didática cognitiva da revisão.
Os psicolinguistas estudam os diferentes níveis do texto revisado com base nas principais fases de seu tratamento – superfície textual (palavras, frases), microestrutura (questões referentes ao significado local – frase, parágrafo – do conteúdo do texto), macroestrutura (todas as propostas mais importantes ou relevantes e constitutivas do significado geral do texto). Medidas subjetivas referentes ao significado geral são usadas em textos narrativos para avaliar a legibilidade do texto produzido do ponto de vista do leitor, perspectiva adotada pelo revisor profissional quando ele se interessa pela legibilidade do texto pelo destinatário. Segundo esse método, a sensação mais forte de qualidade está relacionada à consistência do texto produzido. Para obter conhecimento, as bases cognitivas necessárias ao ofício, os revisores iniciantes que revisam principalmente a superfície textual ou os níveis mais segmentados do texto (microestrutura) devem, portanto, passar a poder reprocessar o texto no nível semântico global (macroestrutura), ou seja, revisar a estrutura e a substância de todo o texto, com vistas a levar em conta uma leitura por e para o outro.
É na interação desses níveis de processamento e reprocessamento que os dois campos se unem. Por exemplo, o estudo linguístico dos índices de coesão textual (estrutura, conectores) permite ao revisor fazer suposições sobre as atividades de construção da coerência e da representação subjacente ao texto e, assim, compreender e avaliar melhor a coerência da representação textual. Os linguistas pragmáticos e psicopragmáticos, que levam em conta o texto em muito mais dimensões, estudam os efeitos esperados da palavra escrita sobre o destinatário. O texto pode, então, ser concebido como uma máquina para produzir inferências e intercessões no leitor ou como um mecanismo sujeito à interferência do revisor. De fato, o leitor, ao lidar com o significado linguístico da afirmação, também infere a intenção e o conhecimento do autor. Código e linguagem, para realmente funcionarem, precisam de (re)conhecimento mútuo que remeta à ideia de que cada informação é contextual e faz parte do conhecimento do autor e do conhecimento do leitor. Essa visão, que revela a necessidade de levar em conta as características culturais e linguísticas do autor e do revisor, é coerente com a posição construtivista que fornece a base para uma didática cognitiva da produção e revisão de textos. 

Quadro teórico sobre a revisão de textos

O termo revisão refere-se tanto ao resultado da atividade do revisor quanto aos diversos procedimentos que a levam a isso. No modelo básico de Hayes e Flower , desenvolvido a partir da análise de protocolos de produtores de texto especializados, o processo de revisão, inerente ao processo de escrita, consiste em dois subprocessos, a releitura (pelo autor) do primeiro rascunho e revisão (pelos revisores) e pode ser definido de acordo com duas estratégias. O primeira, automatizada pelo autor e inerente à produção, ocorre em todos os momentos da atividade produtiva, enquanto o segundo, a revisão controlada e intencional, ocorre em um momento específico e apropriado – segundo aqueles teóricos. Os objetivos do revisor são alcançados por uma série deliberada de estratégias e procedimentos. No entanto, a estratégia adotada depende da habilidade do revisor   e, portanto, deve ser explicitamente aprendida pelo revisor neófito.
À medida que a pesquisa sobre revisão em diversos contextos avança, os autores modelam a atividade de revisão como atividade autônoma e introduzem uma distinção que nesse ponto se estabelece entre “revisão externa” (intervenção) na superfície textual e “revisão interna” (interferências) do conteúdo semântico.  A revisão é então concebida como avaliação da adequação do texto produzido ao propósito definido pelo autor durante o processo de planejamento. A revisão, nessa concepção já um pouco antiga, consiste na aplicação de regras de textualização destinadas a resolver os problemas encontrados pelo autor e deve corresponder a suas intenções comunicativas e suas realizações linguísticas.
Outras pesquisas tentaram esclarecer não apenas as modalidades da revisão, mas também o timing da revisão. O modelo Sommers  descreve quatro operações de revisão, exclusão, deslocamento, substituição e reorganização, aplicando-se a quatro níveis de intervenção sobre o texto, independentes um do outro: a palavra, a proposta, a sentença, a ideia. Em seguida, foram propostos critérios para análise no contexto da revisão: o tempo da revisão, o nível linguístico da revisão, o tipo de correção e o propósito da revisão. Vários autores passaram a levar em conta a distinção essencial entre revisão superficial e revisão semântica, que altera o significado do texto. Foi proposta a revisão contendo seis tipos de operações: adição, remoção, substituição, permutação, reforço, distribuição. Essas operações ocorrem tanto na superfície quanto no nível semântico: revisão superficial, com alterações formais ou sintáticas mantendo o significado e revisão semântica jogando nos aspectos micro ou macro estruturais. Além disso, às vezes operam em paralelo. O aparente contraste entre revisão superficial e revisão semântica mostra, por exemplo, o estado flutuante da adição do adjetivo ao termo “revisão”, que, dependendo de seu conteúdo semântico e carga emocional, provém indiferentemente da revisão superficial com propósito principalmente ornamental e retórico ou da revisão semântica destinada a construir a coerência do texto. Uma adição de superfície pode, assim, levar o revisor a um reprocessamento semântico, resultando no fortalecimento da coerência textual ou no “renascimento” do texto que pode ser realizado, por exemplo, por expansões narrativas.
A revisão agora já consiste da tarefa tripla: detectar, identificar e modificar a parte do texto considerada inicialmente pelo autor como perfeita. O revisor trabalha para desenvolver a redação precisa e, assim, reformular a expressão do autor a fim de esclarecê-la. O procedimento CDO (Compare, Diagnose, Operate) envolve a releitura do texto produzido, mas não permite que os revisores façam um diagnóstico sobre os segmentos de textos a serem revisados. Algumas pessoas não sabem quais são os problemas em seus textos – outros não sabem nem que há problemas. O procedimento CDO faz emergirem diversos problemas que estavam abaixo da superfície textual. Além disso, esse procedimento, aumenta significativamente o número de interferências realizadas, mas nem sempre alcança melhoras na qualidade ou consistência dos textos revisados.
A revisão de texto requer que o autor renuncie a seu primeiro rascunho, à redação dada originalmente. Essa capacidade de delegar estaria relacionada ao reconhecimento da habilidade e competência do revisor. Reconhecemos duas fases de desenvolvimento de capacidade para mobilizar processos e habilidades para a revisão. Inicialmente, os processos se limitam a correções superficiais na ortografia e pontuação, em seguida, a diversificação do gerenciamento e o incremento do processamento de linguagem tornam o revisor capaz de levar em conta palavras, frases e texto como um todo – e aqui já estamos em outro estágio cognitivo, operativo e temporal da revisão de textos.
Assim, para autores revisores iniciantes, a revisão de texto aparece mais frequentemente como uma série de correções formais de superfície resultantes de processos de baixo custo cognitivo. A revisão semântica, mais complexa e opaca, devido à necessidade de levar em conta a necessidade de esclarecimento do leitor, dificilmente acomoda a atividade mental reflexiva isolada. É por isso que as intervenções propostas durante uma atividade de revisão colaborativa contribuem para o desenvolvimento da capacidade cognitiva e operativa do revisor aprendiz levando-o a se desengajar de posturas gramático-normativas e melhorar a qualidade do texto.

Postagens mais visitadas deste blog

Função do revisor como controle de qualidade

Função do revisor de textos.A revisão é uma forma de controle de qualidade apresentada pelo revisor no processo e no produto. Share on Tumblr
Todos reconhecerão que o autor, independentemente de sua formação e do gênero textual produzido, não pode fornecer versões impecáveis de seus escritos em todos os momentos. A questão que surge, então, refere-se à qualidade buscada pelo autor ou pelo serviço de revisão. Pode-se questionar a utilidade do controle de qualidade em relação ao custo que ele representa. Um autor pode decidir não revisar seu escrito, assumindo o risco de apresentá-lo com qualidade inferior à pretendida. Uma série de argumentos poderiam apoiar tal decisão: documentos de baixa importância ou escopo limitado, orçamento incompatível com o custo exigido por um serviço de revisão de alta qualidade – então, é o autor que assume conscientemente o risco de apresentar o texto de qualidade inferior. A revisão está associada à melhoria de qualidade textual em …

Revisão de textos: mediação gerencial

Revisão de textos e mediação gerencial,A forma como a gestão do projeto de revisão de texto se relaciona com o projeto em si e como ele se destaca dentre os concorrentes é determinada por uma abordagem prática baseada em estratégia. Share on Tumblr
O gerente de projetos de uma agência de revisão desempenha várias funções durante o ciclo de um projeto. Eles são polímatas no sentido clássico, desempenhando papel importante no sucesso dos projetos dos provedores de serviços linguísticos. Os diferentes aspectos que são necessários para a revisão profissional devem ser levados em consideração de acordo com as instruções do cliente.O revisor recém-recrutado, ainda que profissional experiente e bem qualificado, nem sempre está familiarizado com a ferramenta de assistência de revisão adotada e com as expectativas da agência, ele pode ter dificuldades em começar a trabalhar imediatamente ou em atender à sequência do trabalho tal como proposta.Nas agências de revisão, gera…

Revisão de textos: mediação funcional

Mediação funcional na revisão de textos.Observamos e compreendemos diversos modos de mediação relacionadas ao revisor de textos, algumas das quais completamente inerentes à atividade da revisão em sentido estreito, outras que se inserem na atividade do revisor em sentido mais largo; as primeiras, mais próprias do revisor, são as mediações linguísticas – que serão objeto de nosso último capítulo, e as seguintes são as mediações extralinguísticas – das quais trataremos agora, as quais dividimos em dois grandes grupos, para melhor compreensão: mediação funcional – de que trataremos neste capítulo, e mediação gerencial – no capitulo subsequente. Share on Tumblr

No contexto da explicação do psiquismo humano, o termo mediação é utilizado para designar a função que os sistemas de signos desempenham nas relações entre os indivíduos e deles com o meio. Se nós criamos instrumentos e sistemas de signos que nos permitem conhecer e transformar o mundo, à mediação dos sistemas…

Processos da formação do revisor de textos

A formação do revisor de textosVários objetivos estão associados ao ensino da revisão. Antes de tudo, na formação como revisores, os alunos devem receber a noção de retrospectiva, entendida como o duplo fato de que a revisão é separada do processo cognitivo de escrita e que o revisor se apresenta como o primeiro leitor do texto. 
Share on Tumblr
No papel ficto de destinatário privilegiado, o revisor representa mais o público-alvo do que personifica a autoridade competente: a figura nefanda do policial do texto. Procuraremos demonstrar neste tópico o modo pelo qual a teoria fundamenta a revisão profissional portanto, deve integrar a formação do revisor. Há questionamento feitos por revisores profissionais e, às vezes, até por empregadores, quanto à importância da teoria da revisão, do ensino da revisão e de sua prática; infelizmente, devemos apontar que esses questionamentos advêm de pessoas completamente alheias aos modernos conceitos de revisão. Apesar dos esfor…

Definições e a prática do revisor de textos

Práticas do revisor de textos.Ao tentarmos definir o revisor por suas ações, usamos as palavras intercessão, intervenção, interferência e mediação quase indistintamente, tomando uma pela outra, naquela primeira passagem, sem estabelecer as nuances de cada uma, num exercício de sinonímia e mesmo de esvaziamento semântico de cada uma delas para integrar os sentidos de todas elas e extrair, de cada uma, parte de seu significado – abandonando um pouco as significâncias. Naquele momento, esse jogo de palavras procurou definir um profissional pelas suas práticas, o que é uma forma aceitável, mas não completamente satisfatória; poderíamos ser acusados de tautologia: revisor é quem revisa, já que interceder, intervir e mediar um texto são atividades que expressam as práticas da revisão! Share on Tumblr
A revisão deve agora evitar se impor como processo de apontar problemas, mas tornando-se um procedimento mutuamente benéfico, em que avança o autor, mas também beneficia o…