Pular para o conteúdo principal

Perspectivas e didática da revisão de textos

A revisão de textos, um campo de pesquisa em renovação total entre pesquisadores, é agora uma atividade de retorno contínuo ao texto que intervém em todas as tarefas e em todas as fases da produção escrita.

Essa atividade, que envolve múltiplos e diferentes conhecimentos, dependendo da estratégia de revisão utilizada, requer investimento variável e custo cognitivo elevado, dependendo da competência do revisor, dependendo do contexto da revisão, do destinatário e do tipo de texto. A revisão melhora a forma e o conteúdo semântico do texto desenvolvido durante a atividade de escrita, mas também a qualidade do texto produzido .
Essa concepção cognitiva da revisão difere de outras abordagens que variam, dependendo do campo de pesquisa e das diferentes perspectivas do revisor. Assim, a análise desses diferentes pontos de vista e a consideração dos contextos da revisão enriquecerão os referenciais e os modelos adotados e os tornarão mais operacionais, independentemente do contexto da tarefa, do revisor e do destinatário final do texto. 
É necessária a provisão de recursos financeiros para a revisão do texto.
O texto é revisado em camadas...

Abordagem multidisciplinar para revisão

A abordagem linguística clássica da revisão descreve essencialmente as versões sucessivas do texto seguindo as diversas intervenções feitas e os diversos processos linguísticos utilizados para melhorar o produto. Por outro lado, o trabalho dos psicolinguistas enfoca o estudo dos processos cognitivos implementados nas atividades de revisão e reescrita. Se, para o revisor, “a revisão detecta as discrepâncias entre o texto produzido, os padrões linguísticos e suas próprias intenções” , o primeiro campo cognitivo está mais do lado do texto e o segundo do lado do autor. Em termos de análise da atividade de revisão, as duas abordagens são complementares. A abordagem linguística visa analisar e propor intervenção nos diferentes níveis envolvidos na revisão de texto. A abordagem psicolinguística tem como objetivo analisar as diversas interferências, estudar as características dos fatores relacionados aos autores e revisores em seus respectivos contextos, e fazer generalizações sobre os processos cognitivos implementados durante a atividade de revisão, essenciais para a concepção de uma didática cognitiva da revisão.

Os psicolinguistas estudam os diferentes níveis do texto revisado com base nas principais fases de seu tratamento – superfície textual (palavras, frases), microestrutura (questões referentes ao significado local – frase, parágrafo – do conteúdo do texto), macroestrutura (todas as propostas mais importantes ou relevantes e constitutivas do significado geral do texto). Medidas subjetivas referentes ao significado geral são usadas em textos narrativos para avaliar a legibilidade do texto produzido do ponto de vista do leitor, perspectiva adotada pelo revisor profissional quando ele se interessa pela legibilidade do texto pelo destinatário. Segundo esse método, a sensação mais forte de qualidade está relacionada à consistência do texto produzido. Para obter conhecimento, as bases cognitivas necessárias ao ofício, os revisores iniciantes que revisam principalmente a superfície textual ou os níveis mais segmentados do texto (microestrutura) devem, portanto, passar a poder reprocessar o texto no nível semântico global (macroestrutura), ou seja, revisar a estrutura e a substância de todo o texto, com vistas a levar em conta uma leitura por e para o outro.
É na interação desses níveis de processamento e reprocessamento que os dois campos se unem. Por exemplo, o estudo linguístico dos índices de coesão textual (estrutura, conectores) permite ao revisor fazer suposições sobre as atividades de construção da coerência e da representação subjacente ao texto e, assim, compreender e avaliar melhor a coerência da representação textual. Os linguistas pragmáticos e psicopragmáticos, que levam em conta o texto em muito mais dimensões, estudam os efeitos esperados da palavra escrita sobre o destinatário. O texto pode, então, ser concebido como uma máquina para produzir inferências e intercessões no leitor ou como um mecanismo sujeito à interferência do revisor. De fato, o leitor, ao lidar com o significado linguístico da afirmação, também infere a intenção e o conhecimento do autor. Código e linguagem, para realmente funcionarem, precisam de (re)conhecimento mútuo que remeta à ideia de que cada informação é contextual e faz parte do conhecimento do autor e do conhecimento do leitor. Essa visão, que revela a necessidade de levar em conta as características culturais e linguísticas do autor e do revisor, é coerente com a posição construtivista que fornece a base para uma didática cognitiva da produção e revisão de textos. 

Quadro teórico sobre a revisão de textos

O termo revisão refere-se tanto ao resultado da atividade do revisor quanto aos diversos procedimentos que a levam a isso. No modelo básico de Hayes e Flower , desenvolvido a partir da análise de protocolos de produtores de texto especializados, o processo de revisão, inerente ao processo de escrita, consiste em dois subprocessos, a releitura (pelo autor) do primeiro rascunho e revisão (pelos revisores) e pode ser definido de acordo com duas estratégias. O primeira, automatizada pelo autor e inerente à produção, ocorre em todos os momentos da atividade produtiva, enquanto o segundo, a revisão controlada e intencional, ocorre em um momento específico e apropriado – segundo aqueles teóricos. Os objetivos do revisor são alcançados por uma série deliberada de estratégias e procedimentos. No entanto, a estratégia adotada depende da habilidade do revisor   e, portanto, deve ser explicitamente aprendida pelo revisor neófito.
À medida que a pesquisa sobre revisão em diversos contextos avança, os autores modelam a atividade de revisão como atividade autônoma e introduzem uma distinção que nesse ponto se estabelece entre “revisão externa” (intervenção) na superfície textual e “revisão interna” (interferências) do conteúdo semântico.  A revisão é então concebida como avaliação da adequação do texto produzido ao propósito definido pelo autor durante o processo de planejamento. A revisão, nessa concepção já um pouco antiga, consiste na aplicação de regras de textualização destinadas a resolver os problemas encontrados pelo autor e deve corresponder a suas intenções comunicativas e suas realizações linguísticas.
Outras pesquisas tentaram esclarecer não apenas as modalidades da revisão, mas também o timing da revisão. O modelo Sommers  descreve quatro operações de revisão, exclusão, deslocamento, substituição e reorganização, aplicando-se a quatro níveis de intervenção sobre o texto, independentes um do outro: a palavra, a proposta, a sentença, a ideia. Em seguida, foram propostos critérios para análise no contexto da revisão: o tempo da revisão, o nível linguístico da revisão, o tipo de correção e o propósito da revisão. Vários autores passaram a levar em conta a distinção essencial entre revisão superficial e revisão semântica, que altera o significado do texto. Foi proposta a revisão contendo seis tipos de operações: adição, remoção, substituição, permutação, reforço, distribuição. Essas operações ocorrem tanto na superfície quanto no nível semântico: revisão superficial, com alterações formais ou sintáticas mantendo o significado e revisão semântica jogando nos aspectos micro ou macro estruturais. Além disso, às vezes operam em paralelo. O aparente contraste entre revisão superficial e revisão semântica mostra, por exemplo, o estado flutuante da adição do adjetivo ao termo “revisão”, que, dependendo de seu conteúdo semântico e carga emocional, provém indiferentemente da revisão superficial com propósito principalmente ornamental e retórico ou da revisão semântica destinada a construir a coerência do texto. Uma adição de superfície pode, assim, levar o revisor a um reprocessamento semântico, resultando no fortalecimento da coerência textual ou no “renascimento” do texto que pode ser realizado, por exemplo, por expansões narrativas.
A revisão agora já consiste da tarefa tripla: detectar, identificar e modificar a parte do texto considerada inicialmente pelo autor como perfeita. O revisor trabalha para desenvolver a redação precisa e, assim, reformular a expressão do autor a fim de esclarecê-la. O procedimento CDO (Compare, Diagnose, Operate) envolve a releitura do texto produzido, mas não permite que os revisores façam um diagnóstico sobre os segmentos de textos a serem revisados. Algumas pessoas não sabem quais são os problemas em seus textos – outros não sabem nem que há problemas. O procedimento CDO faz emergirem diversos problemas que estavam abaixo da superfície textual. Além disso, esse procedimento, aumenta significativamente o número de interferências realizadas, mas nem sempre alcança melhoras na qualidade ou consistência dos textos revisados.
A revisão de texto requer que o autor renuncie a seu primeiro rascunho, à redação dada originalmente. Essa capacidade de delegar estaria relacionada ao reconhecimento da habilidade e competência do revisor. Reconhecemos duas fases de desenvolvimento de capacidade para mobilizar processos e habilidades para a revisão. Inicialmente, os processos se limitam a correções superficiais na ortografia e pontuação, em seguida, a diversificação do gerenciamento e o incremento do processamento de linguagem tornam o revisor capaz de levar em conta palavras, frases e texto como um todo – e aqui já estamos em outro estágio cognitivo, operativo e temporal da revisão de textos.
Assim, para autores revisores iniciantes, a revisão de texto aparece mais frequentemente como uma série de correções formais de superfície resultantes de processos de baixo custo cognitivo. A revisão semântica, mais complexa e opaca, devido à necessidade de levar em conta a necessidade de esclarecimento do leitor, dificilmente acomoda a atividade mental reflexiva isolada. É por isso que as intervenções propostas durante uma atividade de revisão colaborativa contribuem para o desenvolvimento da capacidade cognitiva e operativa do revisor aprendiz levando-o a se desengajar de posturas gramático-normativas e melhorar a qualidade do texto.

Postagens mais visitadas deste blog

A revisão acadêmica: tese, dissertação, artigo

A complexidade do processo de revisão e a imprecisão do próprio conceito requerem que, antes de aprofundar em aspectos práticos, seja conveniente especificar em termos teóricos sua essência, a tipologia de textos com que trabalhamos e as várias modalidades que podem ser cobertas.
Definição de revisão acadêmica Aperfeiçoamento de um texto científico ou tecnológico a fim de eliminar problemas ortossintáticos e propor incrementos à textualidade e à comunicabilidade. Objetos específicos da revisão de textos científicos No âmbito da produção acadêmica, trabalhamos com diversos tipos de textos, aplicando a todos o mesmo rigor linguístico e metodológico: teses de doutoramento, de pós-doutoramento, livre-docência e concursos para professor titular;dissertações de mestrado acadêmico ou profissional, TCC de graduação ou pós-graduação lato-senso, monografias de curso ou de concurso;artigos para publicação em periódicos científicos, comunicações para congressos, relatórios de estágios ou de exper…

Visão geral dos serviços de revisão

A Keimelion oferece ampla gama de serviços para revisão e revisão de documentos científicos, acadêmicos e profissionais. Os nossos revisores e formatadores têm alto nível de conhecimento linguístico e experiência com textos de vários assuntos em campos acadêmicos e científicos muito variados. Eles são cuidadosamente treinados para trabalhar em todos os tipos de documentos. Como resultado, qualquer que seja a natureza de seus textos, temos a experiência e expertise para ajudá-lo a melhorar a gramática, ortografia, pontuação, referências e apresentação até que eles bem perto da perfeição. Em nosso portfólio, você vai encontrar uma lista de documentos acadêmicos e científicos que revisamos. No entanto, mesmo se seu tipo de documento não estiver listado, entre em contato conosco. Teremos sempre um revisor competente pronto para ajudar.
Artigos para publicação em periódicos científicos Depois de ter se beneficiado com os serviços da nossa equipe de revisores especializados em artigos dest…

Concorrência e fraude na revisão de textos

1.Quando pensamos em concorrência, constatamos imediatamente que há dois tipos dela: uma sadia, profícua, que gera parcerias, amizades, troca de informações e aquece o mercado; outra predatória, nociva, desleal e que não só denigre o ofício como nem mesmo chega a fazer parte dele. 2.A fraude pode ser dividida em diversas categorias, podemos mencionar a fraude na própria revisão (cobrar pelo serviço e somente passar o texto por um revisor eletrônico é fraude!), a fraude acadêmica – com todas as suas variantes – e até mesmo a fraude documental: falsificação de documentos (diplomas, e.g.). 3.Revisores não têm “medo” da concorrência; por mais que o número de revisores tenha crescido (na verdade, não sabemos se cresceu ou se apenas eles se tornaram visíveis), cada um tem seu nicho, cada um tem seu público-alvo, cada um tem seu espaço nas mídias virtuais (cujo espaço é, em verdade, infinito). 4.As instituições não parecem dispostas a investir em métodos para coibir as contrafações; deveria…

Revisão de textos e tecnologia: de ontem para hoje

“Uma máquina pode fazer o trabalho de 50 homens comuns. Não há máquina que possa fazer o trabalho de um homem extraordinário.” (Ebert Hubbard, escritor americano, 1856- 1915). — Os robôs chegaram! Os robôs chegaram! Pelo menos é o que a mídia está dizendo. Em muitos empregos, como na lavoura ou nas linhas de montagem, os robôs estão começando a ultrapassar os seres humanos e em breve tomarão seu lugar. Mas os revisores também estão na mira dos robôs (ou dos programas de correção ortossintática). Será que isso significa que nós revisores vamos perder o nosso sustento em poucos anos? Muitos jornais diários eliminaram a presença de revisores na redação, é verdade, mas muito jornais também já deixaram de ser impressos, outros deixaram de existir: não faz mais muito sentido imprimir notícias que ficam velhas antes de a tinta secar! Nosso ofício de revisar está em risco? Não temos tanta certeza…

Licitação e tomada de preços para revisão de textos

Frequentemente, recebemos pedidos de cotação para serviços de revisão de textos para entidades públicas ou autarquias. Conhecemos os procedimentos envolvidos, mas não nos interessa participar desse tipo de concorrência. Nós agradecemos imensamente às instituições que nos procuram, querendo nos incluir em seus procedimentos de tomada de preços e de orçamentos para serviços de revisão de textos. Recebemos muitos pedidos nesse sentido, mas temos a política de recusar todos: não participamos de disputas por serviços a órgãos públicos por vários motivos, que passamos a explicar.
Em primeiro lugar, os serviços de revisão de textos são personalíssimos, isso significa que cada revisor tem procedimentos próprios, critérios pessoais e conceitos de escolas de revisão diferentes. Então, não se pode comparar por valores financeiros serviços que sejam diferentes em sua natureza. Revisão é um termo usado para muita coisa diferente; quando é de boa qualidade, estamos falando de muito mais que correç…